Hospitais do Alentejo investem em novas unidades de cuidados intensivos

O novo serviço de Medicina Intensiva do Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém (Setúbal), deve começar a funcionar em março e o concurso para ampliar os Cuidados Intensivos do Hospital de Beja foi agora lançado.

No Hospital do Litoral Alentejano (HLA), a obra de ampliação do serviço de Medicina Intensiva está “praticamente concluída”, revelou à agência Lusa a presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA), Catarina Filipe.

O novo serviço, num investimento de 1,5 milhões de euros, “deverá entrar em funcionamento no início de março”, com a instalação de quatro novas camas nos Cuidados Intensivos do HLA.

“Tínhamos sete camas de Cuidados Intensivos e vamos passar a ter 11, sendo que cinco delas são em quartos de pressão variável”, o “que permite o isolamento de doentes com Covid-19 ou [com] outras doenças infetocontagiosas”, precisou.

A intervenção, cuja conclusão chegou a estar prevista para o final do ano passado, resulta da “necessidade de aumentar a capacidade instalada no que diz respeito à medicina intensiva”.

“Entretanto, o conselho de administração da ULSLA, em conjunto com o diretor da Medicina Intensiva, decidiu colocar pressão variável em toda a enfermaria, o que permite uma melhor gestão de camas, consoante a necessidade”, explicou.

Hospital José Joaquim Fernandes – Beja investe perto de um milhão

O Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, integrado na ULSBA, também vai ampliar a sua Unidade de Cuidados Intensivos (UCI), num investimento de quase um milhão de euros.

O concurso público para a empreitada foi lançado pelo Serviço de Utilização Comum dos Hospitais e tem um valor base de 966.844 euros.

“É esta empresa associada de todos os hospitais que lançou o concurso e que o vai acompanhar e estudar as propostas. Depois, seremos nós a adjudicar qual a empresa a realizar a obra”, disse à Lusa a presidente do Conselho de Administração da ULSBA, Conceição Margalha.

De acordo com a responsável, o projeto prevê “fazer uma UCI nova”, evitando a atual dispersão de valências por dois pisos do hospital.

“Neste momento, temos a UCI dispersa por dois pisos”, o que implica que haja também “dispersão de recursos humanos e de armazéns”. Com a obra prevista, a UCI vai ficar concentrada ao nível do 1.º piso e, quando concluída, ficará “dotada de todas as condições técnicas, garantindo uma melhor prestação no tratamento dos doentes e melhores condições de trabalho para os profissionais”, destacou Conceição Margalha.

A nova UCI vai ter oito camas, numa sala única, a que se juntam mais duas camas em quartos de isolamento, com pressão negativa.

“Será uma mais-valia enorme para o hospital”, garantiu a presidente do conselho de administração da ULSBA, alertando que os prazos da realização das obras e de conclusão do projeto dependem das empresas que concorrerem, mas, sobretudo, da situação epidemiológica da Covid-19.

Num cenário favorável, “a nossa vontade seria ter obra no terreno em abril ou maio”, para conseguir fazer o projeto até final do ano, mas tudo depende da evolução da pandemia. “Ao entrarmos em obras, vamos diminuir a capacidade de internamento na UCI”, com encerramento de algumas camas, pelo que poderão ter de ser adiadas, admitiu.

As candidaturas ao concurso público podem ser apresentadas até 27 de fevereiro e os concorrentes são obrigados a manter as respetivas propostas por 66 dias a partir dessa data. O prazo de execução do contrato é de 180 dias e o critério de adjudicação é o custo.

Consulte o anúncio em https://dre.pt/application/conteudo/157236761

Newsletter TecnoHospital

Receba quinzenalmente, de forma gratuita, todas as novidades e eventos sobre Engenharia e Gestão da Saúde.


Ao subscrever a newsletter noticiosa, está também a aceitar receber um máximo de 6 newsletters publicitárias por ano. Esta é a forma de financiarmos este serviço.